Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

Músicas recentes:
Veja as músicas que já tocaram por aqui.

Reinfecções por Covid-19 podem aumentar probabilidade de problemas de saúde, diz estudo - Rádio Equipe Leopoldina


No comando: SUCESSOS ANOS 80

Das 0 às 2

No comando: SERTANEJO

Das 2 às 8

No comando: CLÁSSICOS DA MPB

Das 8 às 11

No comando: ROCK CLUB RETRÔ

Das 8 às 11

No comando: SUCESSOS ANOS 80

Das 8 às 11

No comando: SUNSET

Das 8 às 11

No comando: ROCK INTERNACIONAL

Das 8 às 11

No comando: SUCESSOS ANOS 80

Das 8 às 11

No comando: ROCK NACIONAL

Das 8 às 11

No comando: CENA MUSICAL

Das 11 às 12

No comando: ESPECIAL RÁDIO NA VEIA

Das 11 às 13

No comando: ESPECIAL CAFÉ.COM

Das 11 às 13

No comando: CLÁSSICOS DA MPB

Das 12 às 13

No comando: SERTANEJO UNIVERSITÁRIO

Das 12 às 13

No comando: ESPECIAL HIP HOP

Das 12 às 13

No comando: POP MUSIC

Das 12 às 13

No comando: POP MUSIC

Das 12 às 13

No comando: ESPECIAL ACÚSTICO

Das 13 às 14

No comando: CLÁSSICOS DA MPB

Das 13 às 14

No comando: VIBE

Das 13 às 14

No comando: ESPECIAL FORRÓ

Das 13 às 14

No comando: ESPECIAL ACÚSTICO

Das 13 às 14

No comando: VIBE

Das 13 às 14

No comando: ESPECIAL – BANDAS DAQUI

Das 13 às 15

No comando: ESPECIAL HIP HOP

Das 14 às 15

No comando: ESPECIAL ACÚSTICO

Das 14 às 15

No comando: ESPECIAL SAMBA & PAGODE

Das 14 às 15

No comando: CLÁSSICOS DA MPB

Das 14 às 15

No comando: ESPECIAL FORRÓ

Das 14 às 15

No comando: ESPECIAL SAMBA & PAGODE

Das 14 às 15

No comando: POP MUSIC

Das 15 às 16

No comando: ESPECIAL SAMBA & PAGODE

Das 15 às 16

No comando: ESPECIAL FORRÓ

Das 15 às 16

No comando: SERTANEJO UNIVERSITÁRIO

Das 15 às 16

No comando: SERTANEJO UNIVERSITÁRIO

Das 15 às 16

No comando: ESPECIAL FORRÓ

Das 15 às 16

No comando: VIBE

Das 16 às 19

No comando: ESPECIAL FORRÓ

Das 16 às 19

No comando: SERTANEJO UNIVERSITÁRIO

Das 16 às 19

No comando: ESPECIAL ACÚSTICO

Das 16 às 19

No comando: ESPECIAL HIP HOP

Das 16 às 19

No comando: CLÁSSICOS DA MPB

Das 16 às 19

No comando: ESPECIAL SAMBA & PAGODE

Das 17 às 19

No comando: POP MUSIC

Das 19 às 21

No comando: CAFÉ.COM

Das 19 às 21

No comando: BANDAS DAQUI – INÉDITO

Das 19 às 21

No comando: RÁDIO NA VEIA

Das 19 às 21

No comando: CAFÉ.COM – INÉDITO

Das 19 às 21

No comando: RÁDIO NA VEIA

Das 19 às 21

No comando: BANDAS DAQUI – INÉDITO

Das 19 às 21

No comando: SUNSET

Das 21 às 0

No comando: SERTANEJO

Das 21 às 0

No comando: ROCK NACIONAL

Das 21 às 0

No comando: SUCESSOS ANOS 80

Das 21 às 0

No comando: ROCK CLUB RETRÔ

Das 21 às 0

No comando: OPEN FORMAT – DJ ADRIEL

Das 21 às 22

No comando: SUCESSOS ANOS 80

Das 22 às 0

No comando: ROCK INTERNACIONAL

Das 22 às 0

No comando: ESPECIAL CAFÉ.COM

Das 15:00 às 17:00

Reinfecções por Covid-19 podem aumentar probabilidade de problemas de saúde, diz estudo

Pessoas com duas ou mais infecções registradas apresentaram mais que o dobro do risco de morrer e três vezes o risco de hospitalização, aponta pesquisa.

Contrair repetidamente Covid-19 parece aumentar as chances de uma pessoa enfrentar problemas de saúde novos e às vezes duradouros após a infecção. É o que aponta o primeiro estudo sobre os riscos à saúde da reinfecção.

O estudo, que se baseia nos registros de saúde de mais de 5,6 milhões de pessoas atendidas no Sistema de Saúde VA, apontou que, em comparação com aqueles com apenas uma infecção por Covid-19, aqueles com duas ou mais infecções documentadas tinham mais que o dobro do risco de morrer e três vezes o risco de ser hospitalizado dentro de seis meses de sua última infecção.

Eles também apresentaram maiores riscos de problemas pulmonares e cardíacos, fadiga, distúrbios digestivos e renais, diabetes e problemas neurológicos.

As descobertas surgem como uma nova onda de variantes do coronavírus, principalmente a BA.5 da Ômicron, que se tornaram dominantes nos Estados Unidos e na Europa, fazendo com que os casos e as hospitalizações aumentassem mais uma vez.

A linhagem BA.5 causou cerca de 54% dos casos nos EUA na semana passada, dobrando sua participação na transmissão da Covid-19 nas últimas duas semanas, de acordo com dados publicados na terça-feira (5) pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos EUA.

A BA.5 carrega mutações-chave que a ajudam a escapar de anticorpos gerados por vacinas e infecções anteriores, deixando muitas pessoas vulneráveis à reinfecção.

O médico Ziyad Al-Aly, epidemiologista clínico da Universidade de Washington em St. Louis, liderou a pesquisa, que foi publicada em formato preprint, antes da revisão por pares. Ele disse que decidiu fazer a investigação depois de ver as reinfecções se tornarem cada vez mais comuns entre seus próprios pacientes.

“Se você me perguntasse sobre reinfecção talvez um ano e meio atrás, eu diria que talvez eu tivesse um paciente aqui ou ali, mas que era muito, muito raro”, disse Al-Aly. Isso não é mais verdade, no entanto.

“Então, fizemos uma pergunta simples: se você pegou Covid antes e agora está em sua segunda infecção, isso realmente aumenta o risco? E a resposta simples é que aumenta”.

Calculando os riscos de reinfecções

Al-Aly e sua equipe compararam os registros de saúde de mais de 250 mil pessoas que testaram positivo para Covid-19 uma vez com registros de outras 38 mil que tiveram duas ou mais infecções por Covid-19 documentadas em seus registros médicos. Mais de 5,3 milhões de pessoas sem registro de infecção foram usadas como grupo de controle.

Entre aqueles com reinfecções, 36 mil pessoas tiveram duas infecções por Covid-19, cerca de 2.200 pegaram a doença três vezes e 246 foram infectadas quatro vezes.

Novos diagnósticos comuns após reinfecções incluíram dor no peito, ritmos cardíacos anormais, ataques cardíacos, inflamação do músculo cardíaco ou do tecido ao redor do coração, insuficiência cardíaca e coágulos sanguíneos. Problemas pulmonares comuns incluem falta de ar, baixo nível de oxigênio no sangue, doenças pulmonares e acúmulo de líquido ao redor dos pulmões, disse Al-Aly.

O estudo apontou que o risco de um novo problema de saúde foi maior na época de uma reinfecção por Covid-19, mas também persistiu por pelo menos seis meses. O risco aumentado estava presente independentemente de alguém ter sido vacinado ou não, e foi classificado – o que significa que aumentou a cada infecção subsequente.

Al-Aly disse que não é o que as pessoas realmente pensam que acontecerá quando pegarem Covid pela segunda ou terceira vez.

“Existe essa ideia de que, se você teve Covid antes, seu sistema imunológico está treinado para reconhecê-lo e está mais equipado para combatê-lo, e se você tiver novamente, talvez isso não o afete tanto, mas isso não é realmente verdade”, disse.

Al-Aly disse que isso não significa que não existam pessoas que tiveram Covid e se saíram bem; Há muitas delas. Em vez disso, o que seu estudo mostra é que cada infecção traz novos riscos, e esse risco aumenta com o tempo, disse ele.

Mesmo que uma pessoa tenha metade do risco de desenvolver problemas de saúde duradouros durante uma segunda infecção do que durante a primeira, disse ele, ela ainda acaba com 50% mais risco de problemas do que alguém que não pegou Covid-19 pela segunda vez.

O estudo tem algumas ressalvas importantes. Al-Aly diz que foi mais comum ver reinfecções entre pessoas que apresentavam riscos existentes devido à idade ou condições de saúde subjacentes. Isso mostra que a reinfecção pode não ser aleatória, e pode ser que os riscos à saúde ligados às reinfecções também não sejam.

“É possível que indivíduos mais doentes ou pessoas com disfunção imunológica tenham maior risco de reinfecção e resultados adversos à saúde após a reinfecção”, disse Al-Aly.

O especialista não estava interessado em tentar isolar os efeitos puros da reinfecção, mas queria entender como as infecções repetidas estão afetando as pessoas que as contraem.

“A pergunta mais relevante para a vida das pessoas é, se você for reinfectado, aumenta o risco de complicações agudas e Covid longa, e a resposta é um claro sim e sim”, disse ele.

O estudo é observacional, o que significa que não pode determinar causa e efeito.

Al-Aly diz que os pesquisadores viram esses riscos aumentados mesmo depois de ponderar os dados para explicar os efeitos da idade, sexo, uso de medicamentos e saúde subjacente da pessoa antes de contrair a Covid-19.

Covid-19 continua a surpreender

Especialistas que não estiveram envolvidos na pesquisa dizem que os achados são convincentes.

“Há essa ideia que eu acho que muitas pessoas têm que ‘se eu sobrevivi à minha primeira infecção, eu realmente vou ficar bem na segunda vez. Realmente não deve haver nenhum problema’”, disse Daniel Griffin, instrutor de medicina clínica na Universidade de Columbia.

“A sabedoria popular diz que as reinfecções são leves, nada para se preocupar, nada para ver aqui”, disse Griffin sobre o estudo no podcast “This Week in Virology”. Mas isso não está realmente sendo confirmado, disse ele.

Não é assim que deve funcionar. Mesmo quando os vírus mudam de forma – como a gripe – nosso sistema imunológico geralmente retém sua memória de como reconhecer e combater alguma parte deles. Eles ainda podem nos deixar doentes, mas a ideia é que nossa imunidade anterior está lá para montar algum tipo de defesa e nos impedir de danos graves.

Com os coronavírus, e especialmente os coronavírus SARS-CoV-2, os dados continuam chegando.
“Um ano depois, você pode ser reinfectado com o mesmo coronavírus pela segunda vez. Não está claro que essa segunda infecção possa ser mais leve, porque os coronavírus têm intrinsecamente a capacidade de interferir na imunidade duradoura”, disse Griffin à CNN.

Griffin diz que viu reinfecções por Covid-19 nos dois sentidos. Às vezes, a segunda ou terceira é mais branda para seus pacientes, mas às vezes não.

Como isso se compara a outras infecções respiratórias?

No início da pandemia, as pessoas pegavam Covid-19 e se passavam três meses quando estavam bem protegidas, disse ele. Mas agora, essas reinfecções estão acontecendo com mais frequência, sem dúvida por causa das rápidas mudanças no vírus. Ele diz que viu algumas pessoas infectadas quatro vezes nos últimos dois anos.

“Nós realmente não vemos muito disso com a gripe”, disse Griffin.

Quanto ao que as pessoas devem fazer agora em relação a esse risco, o pesquisador Michael Osterholm, que dirige o Centro de Pesquisa e Política de Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota, diz que os norte-americanos realmente estão cansados da pandemia. Isso não significa que a pandemia acabou, no entanto.

Osterholm disse que tem três amigos próximos que recentemente foram a um restaurante pela primeira vez desde o início da pandemia. Todos eles testaram positivo dentro de 72 horas após a visita ao restaurante.

Se você está em maior risco de doenças graves ou apenas deseja evitar ficar doente, é um bom momento para usar uma máscara PFF2 em locais públicos, diz ele.

“As pessoas não querem ouvir isso, mas essa é a realidade. Estamos vendo esse ressurgimento e um número crescente de escape nas vacinas. Claramente, essa é uma grande preocupação”, disse ele.

Deidre McPhillips, da CNN, contribuiu para esta reportagem.

Fonte: CNN BRASIL (Cable News Network Brasil).

Deixe seu comentário: